quinta-feira, 8 de abril de 2010

Ouve-se gritos quando se esta entrando. Discussão. Um tapa estala quando não há mais argumentos. Não dá mais pra evitar. Choros. Os gritos e a discussão aumentam. O caminho não tem volta. Pai. Mãe. Família. Queria eu, ter alguém com quem pudesse desabafar. A discussão parece que não vai terminar tão cedo. Largo os livros junto à porta. Respiro fundo. Vou embora. Os dois não estão se falando. Clima de guerra. Eles sempre foram assim?! Como pouco, mas ninguém nota. A tristeza em meus olhos cansados passam como uma coisa sem importância. A mãe se entrincheira na cozinha e depois direto pro pc. O pai vai das orquideas, a procura incansavel de algo na televisão. Essa relação me confunde. Não quero conviver com isso. Dia a dia vendo eles se "ignorando" cada vez mais. Silêncio. Me sinto cada vez mais só. Vou para o quarto. Choro. Não há muito o que fazer. Ouço eles falando, vozes longínquas (?) chegando a meu território particular. É diferente, estranho. Nem tanto. Chego a rir de toda essa situação. Ah se eles soubessem... Pouco se aproximam. Eu também não estimulo nenhum contato. Temo o medo e o desespero. A solidão. O medo apenas aumenta. Tentei falar sobre isso com uma pessoa, mas ela esta muito distante, muito feliz pra me ouvir. Não quero incomodar.

Nenhum comentário: